Cientistas criam embalagem de pipoca para substituir isopor

Produto de difícil reciclagem, o poliestireno expandido (EPS) ou isopor, como é popularmente conhecido, ganhou uma alternativa ecológica bastante inusitada. Cientistas da Universidade de Gottingen, na Alemanha, desenvolveram uma embalagem a partir de pipoca.

Há anos, o grupo Chemie und Verfahrenstechnik von Verbundwerkstoffen (Química e Engenharia de Processos de Materiais Compósitos) da Faculdade de Ciências Florestais e Ecologia Florestal da Universidade de Göttingen investiga processos de fabricação de produtos feitos de pipoca. A ideia é criar alternativas ecológicas ao poliestireno ou ao plástico e agora a equipe conseguiu desenvolver um novo processo em que formas moldadas tridimensionais podem ser produzidas a partir de pipoca “granulada”.

Entre os benefícios, o material granular vem de fontes biológicas renováveis, é reciclável e pode ser cultivado localmente. O produto desenvolvido pode ser útil, sobretudo, para a indústria de embalagens que é a maior compradora de produtos plásticos.

“Esse novo processo possibilita a produção de uma ampla gama de peças moldadas”, explica o chefe do grupo de pesquisa, o professor Alireza Kharazipour. “Isso é particularmente importante quando se considera a embalagem, pois garante que os produtos sejam transportados com segurança, o que minimiza o desperdício. E tudo isso foi conseguido com um material que será até biodegradável posteriormente”, completa.

Outra grande vantagem do material é possuir propriedades repelentes de água, o que alarga as possibilidades para aplicações futuras.

“Nossa embalagem de pipoca é uma ótima alternativa sustentável ao poliestireno, que é derivado do petróleo. A embalagem à base de plantas é feita de subprodutos não comestíveis da produção de flocos de milho e pode realmente ser compostada após o uso sem qualquer resíduo”, afirma Stefan Schult, Diretor Executivo da Nordgetreide, empresa que detém a licença para fazer uso comercial do produto.

Foto: Carolin Pertsch

Para os cientistas da instituição alemã, as embalagens do futuro devem ser sustentáveis e isso significa ser fabricada com recursos renováveis, ser robusta o suficiente para permitir a reutilização e ser fácil de reciclar no final de sua vida útil.

Foto: Moira Burnett

Antes deste projeto, os pesquisadores já haviam criado painéis feitos de aparas de madeira e grãos de milho expandidos, ou seja, de pipoca. Os possíveis usos de tais painéis incluem a fabricação de móveis, aplicação em automóveis e navios, além da criação de materiais isolantes.

Fonte: Ciclovivo

Kauzz

Sou blogueiro, twiteiro, vlogueiro, youtuber, biólogo, social media e podcaster. Vivo buscando conhecimento e informação nesse mundo caótico, ao lado da minha morena.

Deixe uma resposta