Garçonete recebe aposta da Loteria de gorjeta, ganha, é processada por colegas, sequestrada por ex-marido, caçada pela Receita Federal e processada pelo cara que deu o bilhete de gorjeta

Tonda Dickerson trabalhava de garçonete após seu divórcio, e se aproximava de seus 30 anos de idade. Um dia, um homem chamado Edward Seward entrou no lugar onde ela trabalhava, tomou um café da manhã e deu a ela de gorjeta um bilhete pago de uma aposta da loteria.

Uma semana depois, Tonda ganhou 10 milhões de dólares na loteria da Flórida, pois o bilhete era de lá. Ela escolheu receber 375.000 dólares por ano durante 30 anos, pra viver uma vida sossegada e sem luxo. Tonda não teria que nunca mais se preocupar com nada. Ou pelo menos ela achava isso.

Primeiro os seus ex-colegas de trabalho entraram com uma ação contra ela, exigindo que o dinheiro fosse compartilhado porque, segundo eles, os funcionários do local tinham um acordo verbal de dividir qualquer prêmio desses bilhetes que eram dados de gorjeta, coisa comum por lá.

Em um primeiro julgamento, o júri decidiu em 45 minutos contra a garçonete, após uma testemunha dizer que ouviu o acordo verbal. Mas depois a Tonda recorreu e o Supremo Tribunal do Alabama decidiu que como o acordo versava sobre apostas, o que é proibido no estado, portanto ele era inválido, mesmo tendo existido.

Então veio o segundo problema: o homem que deu o bilhete pra ela de gorjeta também processou a ex-garçonete, alegando que ela tinha falado pra ele que compraria um carro e o daria de presente ao homem caso viesse a ganhar.

Mas um juiz do Condado de Mobile concedeu o caso em favor da Tonda. Então veio o terceiro obstáculo: Stacy Martin, o cara de quem Tonda se divorciou, não admitia ele estar na pindaíba e ela vivendo a vida dos sonhos. Então a sequestrou e, levando-a à beira do mar numa zona portuária, começou a dizer que mataria ela e se mataria em seguida.

No caminho, o celular dela tocou, e o homem disse que ela não poderia atender ou então morreria ali mesmo. Depois eles desceram nesse portinho, onde o telefone tocou pela segunda vez. Ela então usou a inteligência: disse que se não pudesse atender então começariam a procurar por ela.

Stacy concordou em deixá-la atender, sob a condição de que ela não dissesse que estava numa zona portuária prestes a ser morta pelo ex-marido. Mas a mulher não pegou o celular, e sim uma .22 que guardava na bolsa, desferindo um tiro e acertando em seu peito.

O homem, agora ferido, atacou a moça, arrancou a arma dela, e disse que a mataria. Ela então o convenceu a ir pra um hospital, pois logo desmaiaria pela perda de sangue. Então ele foi com ela pra um hospital, e ele acabou preso, já que obviamente a mulher contou tudo.

E não acabou aí: agora foi a vez da Receita Federal ir atrás da Tonda. Eles queriam 1 milhão de dólares em impostos dos 10 milhões que ela ganhou, mas na justiça o advogado dela disse que a maior parte de seu dinheiro foi para o benefício de seus familiares ao invés do próprio, fazendo com que sua dívida fosse perdoada.

Hoje a moça vive uma vida discreta, sem falar muito sobre onde está ou onde vive. E acho que podemos entender o motivo. Também entendemos melhor o homem que usou uma máscara do pânico pra receber seu prêmio na loteria.

Fonte: Ovelhas Voadoras

Kauzz

Sou blogueiro, twiteiro, vlogueiro, youtuber, biólogo, social media e podcaster. Vivo buscando conhecimento e informação nesse mundo caótico, ao lado da minha morena.

Deixe uma resposta