Mauro Mendes Sanciona Lei Que Torna Educação Um Serviço Essencial

O governador Mauro Mendes (DEM) sancionou a lei nº 11.367, de autoria do deputado Elizeu Nascimento (PSL), que torna a educação um serviço essencial em meio à pandemia da covid-19. Com a sanção do gestor, está autorizado o retorno gradual das atividades escolares de forma presencial no estado.

A anuência do governador à lei foi publicada em edição extra do diário oficial que circulou na segunda-feira (10). Conforme o texto final sancionado, ficaram vedados 3 itens da norma aprovada na Assembleia Legislativa de Mato Grosso – que aprovou a medida na primeira quinzena de abril.

O parágrafo quarto da lei, que foi vetado por Mendes, garantia que o retorno gradual das aulas presenciais só estaria liberado após vacinação de todos os profissionais da educação. Na prática, com a suspensão desse item, a volta às salas de aula pode ocorrer a qualquer momento sem que os professores sejam imunizados por exemplo.

Além disso, os incisos IV e VIII do parágrafo primeiro também foram vetados. Os itens diziam respeito à alimentação dentro da sala de aula e a manutenção de todas as janelas laterais abertas, respectivamente.

Em resposta ao veto, Mendes encaminhou uma mensagem à Casa de Leis na qual explica a razão pela qual suspendeu os itens destacados. Segundo a Procuradoria Geral do Estado, as partes subtraídas apresentavam inconstitucionalidade formal, porque criavam obrigações.

“(…)inconstitucionalidade formal por criar obrigações e interfere na organização e funcionamento de órgãos do Poder Executivo – violação dos arts. 39, parágrafo único, II, “d”, e 66, V, da CE/MT”, diz trecho da mensagem.

“(…)fixa capacidade mínima estável para funcionamento das unidades de ensino – não observa taxa/intensidade de contaminação pela covid-19”, completa.

Para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep), Valdeir Pereira, Mendes expôs os trabalhadores da educação a risco da forma como foi feita a sanção.

“Mais uma vez, o governador Mauro Mendes é seletivo nas leis que tratam apenas do interesse do estado e não mede esforços para colocar em risco trabalhadores da Educação”, disse o presidente.

“Assim como não veio a público para explicar o pedido da reserva de vacinas para os trabalhadores da educação que está sem autorização”, acrescentou.

Fonte: Rádio 93 FM

Kauzz

Sou blogueiro, twiteiro, vlogueiro, youtuber, biólogo, social media e podcaster. Vivo buscando conhecimento e informação nesse mundo caótico, ao lado da minha morena.

Deixe uma resposta