Piloto pega no sono durante voo e acorda 110 quilômetros depois!

Um experiente piloto australiano acabou pegando no sono enquanto voava e foi parar a 100 quilômetros do seu destino, revelou uma investigação do Australian Transport Safety Bureau (ATSB). O incidente foi registrado em julho de 2020, enquanto o comandante fazia um voo de traslado de um turboélice Cessna 208B entre Cairns e Redcliffe.

O relatório do ATSB comenta que, naquele dia, o Controle de Tráfego Aéreo (ATC) tentou fazer contato com o piloto quando o avião estava próximo à Sunshine Coast, mas não houve resposta. Foram 40 minutos sem qualquer contato.

Quando todas as tentativas de alcançar o piloto falharam, o controlador pediu, na frequência de rádio, para que outro avião interceptasse o Caravan. Um piloto da Royal Flying Doctor Service (RFDS) se prontificou e realizou a missão, mas isso não conseguiu chamar a atenção.

Foi só depois de o avião ter voado mais de 110 quilômetros além de seu destino pretendido que o piloto acordou e fez contato.

Grogue

O relatório disse que o piloto parecia “grogue” e “não muito lúcido” quando acordou, e mais tarde relatou se sentir “confuso” ao iniciar a descida. No entanto, o piloto pousou o avião no aeroporto de Gold Coast sem problemas, disse o relatório.

Ele também disse que o piloto, que tinha 20.000 horas de voo e estava acostumado a fazer voos de traslado, relatou ter “sono perturbado” na noite anterior. “O piloto relatou que se sentiu um pouco cansado no dia do incidente, mas estava bem para voar”, disse o relatório. O piloto também informou que estava com o aquecedor ligado e a cabine “razoavelmente quente”, o que eles acreditavam ter contribuído para adormecer.

Hipoxia leve

O ATSB determinou que a incapacitação do piloto foi provavelmente causada por fadiga de sono interrompido prolongado, associado a uma condição chamada “hipóxia leve”. Também determinou que o piloto sofreu a condição porque não havia usado o sistema de oxigênio suplementar “apropriadamente” ao começar a voar em uma altitude mais elevada.

“Durante o cruzeiro a 10.000 pés, o piloto encontrou condições de gelo imprevisíveis e pouca visibilidade devido a nuvem e subiu para 11.000 pés”, disse o relatório. Os pilotos devem usar continuamente oxigênio suplementar ao voar em aeronaves não pressurizadas acima de 10.000 pés, disse o relatório.

“Isso provavelmente exacerbou a fadiga existente do piloto e contribuiu para que ele caísse no sono”, conclui o documento.

Fonte: AEROIN

Kauzz

Sou blogueiro, twiteiro, vlogueiro, youtuber, biólogo, social media e podcaster. Vivo buscando conhecimento e informação nesse mundo caótico, ao lado da minha morena.

Deixe um comentário