Tipos de sinopenses e locais turísticos da cidade

Se você se ofendeu, clica AQUI

Sinop é uma cidade cheia de opções culturais. Conta com um cinema, dois bares e um saloon disfarçado de boate com direito a bang-bang, e em qualquer lugar só toca sertanejo.

Os sinopenses se dividem em alguns grupos:

Os frequentadores de raves, os frequentadores bailes, os frequentadores do ditado popular e postos de combustível: Os hétero top rural e também os Hare Krishna devido ao grande descontentamento com o rumo do universo, um grupo de pessoas tem buscado “evolução”, ou seja, eles fazem cursos pela internet, se reúnem para fumarem maconha, beberem ayahuasca e fofocarem entre si o quanto eles são mais evoluídos e estão mais próximos de alcançar o paraíso. Se assemelham às testemunhas de Jeová e Evangélicos em geral julgando as pessoas “Do mundo”, morrendo de vontade de transar com tudo e todos, dando só o cuzinho pra não romper o hímem, mas tudo escondido pra manter as aparências, pq o que os olhos de Deus não vêem o coração não sente.

  • Os frequentadores de raves em Sinop

Se subdividem em playboys, patricinhas, jiu-jiteiros e “malucos beleza”. As festas de putz putz raves em Sinop são sempre com os mesmo DJs, nos mesmo locais e com as mesmas pessoas. É comum observar nesses eventos playboys, patricinhas e jiu-jiteiros consumindo uísque falsificado, ecstasy que eles compraram por 20 reais e ficam mordendo copos a festa toda cerveja e principalmente água, Os “malucos beleza” são os acadêmicos de biologia e engenharia florestal da UFMT que não tem dinheiro pra comprar nada e ficam criticando o governo pelo atraso das bolsas de estudo deles. Levam a maconha de casa e se juntam em grupos de 20 pessoas para consumirem um baseado. Durante as festas rolam brigas entre playboys chapados que querem impressionar as patricinhas… O playboy sempre apanha e o jiu-jiteiro leva a patricinha com ele, porém a patricinha nota que o jiu-jiteiro não tem carro e volta atrás do playboy quebrado. A grande maioria das patricinhas vão fantasiadas de Lara Croft nas raves em Sinop, mostrando muita criatividade. Quando amanhece playboys e jiu-jiteiros tiram as camisetas e começam a disputa pra ver quem é o mais bombado (em ambos os sentidos).

  • Os frequentadores de bailes

São casais gaúchos, catarinenses e paranaenses que deixaram seus filhos na rave e pistoleiros. Na entrada dos bailes a pessoa é revistada, se a mesma não estiver portando arma ela acaba ganhando uma, mesmo que seja apenas uma faca.

  • Os frequentadores de postos de combustível

São um bando de mano e mina que se reúnem para tomar uísque falsificado com tubaína em garrafas PET ou qualquer outra bebida que contenha álcool, ficam ouvindo funk, rap e pancadão e ainda proporcionam rachas e queimação de pneu. Existe também a desfavorecida sub-classe dos playboys maconheiros-revolucionários, que movidos pela insatisfação social (rebeldia ocasionada pela baixa renda familiar) entopem-se de maconha e corotinho ao som de Raul Seixas e criticam o capitalismo selvagem da cidade sem nunca ter lido um livro de economia. Aliás, essas anomalias produzidas por sociopatas sulistas adoram filosofar enquanto estão brisados, num estágio que antecede o ritual de acasalamento pederasta de todo filósofo-maconheiro. Geralmente tentam ser o mais “underground” possível, para mostrar como estão a parte do resto do mundo. Pintam o cabelo com cores engraçadas, só usam roupas pretas, fazem tatuagens, colocam piercings, e tentam reproduzir as músicas de seus ídolos e entender toda a filosofia contida nas mesmas. Acreditam piamente que têm um nível de compreensão da sociedade maior que a média da pessoas. Talvez essa alucinação seja causada pelo uso da maconha.

  • Os cowboys

também chamados de “capiais” é uma versão de ex-playboy que faz faculdade de agronomia, veterinária ou zootecnia e etc. Segundo uma pesquisa realizada em novembro de 2009, 99% dos cowboys entrevistados só viram vacas na churrascaria. Enquanto o restante só viu nas fotos que o pai tirou na fazenda onde trabalha de operador de trator. Sua maneira de chamar atenção consiste em pegar o carro que ganhou do pai, ou o do pai mesmo, dar uma volta na Av. Júlio Campos com o som alto tocando a trilha do filme Brokeback Mountain achando que é a coisa mais linda, e lógico, por vezes mechem com a patricinha namorada de algum mano ou jiu-jitero e acabam por apanhar no local.

Como se vestem

O vestuário do homem sinopense também é notável, sendo eles reconhecidos em qualquer lugar do mundo devido a suas calças atochada no toba, embalado a vácuo pra ficar bem enfiada no rego pra mostrar que tem bunda, acompanhado de uma botina geralmente de couro de jacaré, cobra, lagartixa ou pica, com uma fivela que mais parece um escudo do He-MMan para dar mais peso encima do pinto pra garantir que vão broxar, uma camisa listrada ou xadrez, por dentro da calça e com bolso pra colocar a caixinha de fumo e um Chapeu escrito “Teodoro e Sampaio” ou “Gino e Geno”, também pode ser tipo: “Comitiva Nossa Esperança” ou “Aqui o sistema é bruto”. Este chapéu é usado 24 horas por dia, mesmo não havendo sol, pode ser com chuva, de noite, na pista de techno da antiga House beer ou até mesmo no banho ou dormindo.

Que carro usam

O carro do sinopense tem que ter um adesivo de cowboy, geralmente escrito BRUTO RUSTICO E SISTEMATICO ou ate mesmo PERIGO, BOIADEIRO BRUTO RUSTICO E SISTEMATICO, como se observa pela cidade em alguns guinchos de empresas famosas ou em possantes Gol 1.0

Quando chega a temporada de férias, os que tem dinheiro viajam. Todos e sempre para os mesmos lugares, Paraná ou Santa Catarina, mais precisamente Balneário e Itapema. E os que ficam na cidade sentem vergonha de seu jeito atípico de se vestir e voltam a se vestir como gente e frequentam baladas de música eletrônica.

Se você se ofendeu, clica AQUI

Pontos Turísticos da cidade

  • Praia Do Cortado – Um pedaço de areia imundo num rio sujo onde os sinopenses gostam de se reunir para o “Festival de praia”, onde acampam por alguns dias para transar, fumar maconha, encher a cara e assistir apresentações de bandas sinopenses consagradas.
  • Calangos – SuperCenter – Local onde as crianças aspirantes a patricinhas, mauricinhos e cowboys de posto no futuro vão para comer a sola de sapato que costumam chamar de “sanduíche do Giraffa’s”, é lá onde se localiza o único cinema da cidade recrutando o maior exército de crianças histéricas e insuportáveis. Sem contar que o local conta com um grandioso playground onde algumas coitadas contratadas como monitoras têm que aguentar os filhos prepotentes da suposta elite sinopense, e por causa deste playground é onde as mães adolescentes vão para largar seus filhos para encherem a cara com uma torre de chopp (leia-se: água suja).
  • Ponte do Rio Teles Pires – É o lugar onde os empresários costumam descer seus barcos e jet-skys para desfilar com suas biscates que chamam de namoradas, é muito frequentado também por manos que costumam se reunir para empinar suas motos na estrada do aeroporto, esse local é muito conhecido por possuir um bar onde apenas 40 pessoas podem pisar, pois é feito de tábua e galão usado de gasolina, auto-denominando-se co o um “bar flutuante” só pra soar mais bonito.
  • Subway – Dizem que é uma franquia de sanduíches, porém, em Sinop ela é usada como um depósito de bêbados que após encher a cara passam por lá para rebater a cachaça com aquela Coca-Cola de xarope que eles servem, porém é um local mais selecionado, os frequentadores são de uma classe mais elevada da cidade, exceto os cowboys que afirmam que não entendem o que está escrito no cardápio.
  • Árvore da Colonizadora – Esse local serve pra estacionar 5 ou 6 carros pra ficar com o som ligado enquanto os donos tomam tereré, geralmente é ocupado por saveiros que rapidamente precisam se evadir do local quando os guardas de trânsito chegam.
    Baixada Morena – Lugar nojento onde os pobres sinopenses se juntam para fazer merda nenhuma juntos (já que as opções da cidade são escassas). O lugar parece um esgoto, só sabemos que na verdade é um pântano porque em Sinop não existe rede de esgoto.
  • A Catedral – Lugar onde os manos se reúnem para (adivinhe) fazerem merda nenhuma. Alguns playboys (cowboys metidos a agrônomos) vagabundos de 30 anos que ainda moram com a mãe também gostam do lugar para fazer inveja nos manos exibindo seus possantes Unos 99, com caixas de som que valem mais que os próprios carros. Ocasionalmente alguma mina dança pelada e uns assaltos ocorrem por lá frequentemente. Oração ou devoção a Jesus Cristo? Esqueça.
  • Avenida Julio Campos – Mesma coisa que a Catedral, exceto que não tem minas dançando peladas, no lugar disso elas pulam na caçamba de pick-ups. Também conhecida como o ponto onde os playboys chamam de “zona de caça”, neste lugar é possível ver pessoas tomando tereré nos fins de tarde.
  • Viaduto – Um lugar onde os outros também conhecem como “matadouro de playboys” pelo seu alto índice de mortalidade da parte dessa subdivisão dos frequentadores de raves. Playboys bêbados acham que a morte mais rápida é rampando de moto pela lateral do viaduto,na maioria das vezes sem a devida proteção, posteriormente quebrando seus pescoços no chão, ou popularmente dizendo, um pesco-tapa no asfalto. Esse local já foi frequentado por roqueiros que ficavam até de madrugada bebendo absinto e cantando Nirvana, muitos deles comiam uns aos outros após entrarem em estado de embriaguez. Esta raça, porém, foi extinta junto com a morte do rock.

Calma, não fica brabinho, apenas começamos kkkk

Fonte: Desciclopédia

Se você se ofendeu, clica AQUI

Kauzz

Sou blogueiro, twiteiro, vlogueiro, youtuber, biólogo, social media e podcaster. Vivo buscando conhecimento e informação nesse mundo caótico, ao lado da minha morena.

Deixe uma resposta